Como prevenir a obesidade infantojuvenil

Como prevenir a obesidade infantojuvenil

Estudo divulgado pela revista científica Lancet faz um importante alerta: o desenvolvimento da obesidade em crianças disparou no mundo, e no Brasil, pode atingir 11,3 milhões até 2025 se nada for feito!

Em 2014, o Brasil saiu do mapa da fome da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), tendo menos de 5% de sua população sofrendo com a insegurança alimentar. Mas se por um lado a fome diminuiu, por outro a obesidade disparou.  Estima-se que 22,3% da população acima dos 18 anos estão acima do peso ideal, apontou o estudo divulgado pela entidade.

O hábito alimentar dos adultos interfere diretamente no comportamento das crianças.  

A obesidade infantil disparou nas últimas décadas. Segundo artigo publicado pela Lancet, somente no Brasil nas últimas quatro décadas, o índice de obesidade entre meninos subiu de 0,93% para 12,7%. Entre as meninas, passou de 1,01% em 1975 para 9,37% no ano passado, de acordo com dados compilados pela rede de cientistas de saúde NCD Risk Factor Collaboration, utilizados na pesquisa e divulgados pela BBC Brasil.

Diversos fatores podem desencadear a doença, seja o menor poder aquisitivo em adquirir alimentos saudáveis, ou a publicidade massiva em cima de produtos industrializados e ultra processados que faz crescer o desejo em consumir alimentos ricos em gordura e açúcar.

“Essas tendências preocupantes refletem o impacto da publicidade da indústria alimentícia e das políticas públicas ao redor do globo, com alimentos saudáveis e nutritivos se tornando algo muito caro para famílias e comunidades pobres”, afirmou em um comunicado a pesquisadora que liderou o estudo publicando na Lancet, Majid Ezzati, da Escola de Saúde da Imperial College London, publicado na reportagem da BBC Brasil.

Como reduzir a obesidade nas crianças

  1. Os hábitos alimentares começam desde a gravidez. Para uma criança saudável, a mãe precisa alimentar-se de forma equilibrada.
  2. A Federação Mundial da Obesidade recomenda o aumento do aleitamento materno e evitar produtos industrializados ricos em açúcar e gordura
  3. Evite oferecer realçadores de sabor e adoçantes para crianças menores de 2 anos.
  4. Incentive a prática de esportes e brincadeiras ao ar livre!
  5. Procure oferecer alimentos variados e coloridos para as crianças. Frutas e legumes da estação costumam ser mais baratos e mais saborosos.

 

A obesidade é uma doença e pode desencadear outras enfermidades como diabetes, problemas cardíacos, vários tipos de câncer e diminuição da autoestima, podendo levar a depressão.

Ter uma alimentação equilibrada, colorida e com menos produtos industrializados, é a chave para uma vida saudável!

Fontes: G1, FAO, BBC BRASIL, SAÚDE BRASIL, BLOG DR. SAÚDE

 

 

Deixe uma resposta